CDS contribui para uma Região mais justa e mais solidária
Plano e Orçamento 2019

O Presidente do CDS, Artur Lima, afirmou, esta quinta-feira, que o CDS é “um partido humanista e personalista que marca a diferença na política açoriana” e que “é a oposição a este Governo”, mas “nunca será oposição às legítimas reivindicações e expetativas dos Açorianos”.

Para o CDS, na educação é necessário procurar respostas que concretizem a sua universalidade e a sua centralidade no desenvolvimento da Região e é por isso que é favorável às justas reivindicações dos professores, que defendeu e aprovou os manuais escolares gratuitos, e é por isso que defende mais condições para os estágios pedagógicos. Artur Lima anunciou, em sede do plano de investimentos, mais uma resposta social na educação, que privilegia o mérito dos nossos jovens e representa um incentivo ao ingresso no Ensino Superior, ou seja, um Prémio de Mérito de Ingresso no Ensino Superior, com o valor de 500€ a atribuir a todos os estudantes Açorianos.

No entender de Artur Lima, a saúde trata-se de um direito fundamental de todos os açorianos, e, portanto, não baixará os braços enquanto não for acessível a todos. Para o líder centrista, é prioritário reduzir as inaceitáveis listas de espera cirúrgicas que há muito o CDS sinalizou e que procura combater, com a introdução do VALE SAÚDE e do CIRURGE, anunciando querer ver essas medidas reforçadas. No âmbito da formação médica, o líder do CDS considerou que se pode fazer mais, daí o CDS “querer que os médicos das ilhas sem hospital tenham formação em emergência médica para que os açorianos tenham na saúde a garantia de prontidão”.

Na solidariedade social, Artur Lima afirmou que o CDS defende a justiça social e não se resignará à indiferença nem olhará para o lado, enquanto os mais desfavorecidos e os mais vulneráveis não tiverem a resposta que o nosso Estatuto e a nossa Constituição determinam. É por isso, segundo o Presidente do CDS, “que lutamos pelo alargamento do Complemento aos Doentes Oncológicos, do COMPAMID, do pagamento de propinas a quem não tem recursos e da atribuição dos produtos de apoio aos alunos com necessidades especiais”. Artur Lima anunciou, no âmbito das medidas de apoio aos doentes deslocados, a proposta de instalação de uma residência de acolhimento em São Miguel, como princípio de uma verdadeira rede de resposta regional, de forma a corresponder às necessidades dos nossos doentes.

De forma a promover a nossa competitividade e a corresponder aos desafios da coesão económica, Artur Lima defendeu a aquisição dos grupos térmicos que prevejam a capacidade de conversão para gás natural, na central termoelétrica do Belo Jardim, de forma a garantir que o GNL seja uma realidade na ilha Terceira. O líder do CDS apresentou também medidas de requalificação da orla costeira, nomeadamente a proteção e a estabilização da zona costeira da Fajã das Pontas, em São Jorge, como medida de proteção do património natural e do ambiente.  

 

Artur Lima propôs ainda a implantação do Centro Interpretativo da Base das Lajes, “em nome da defesa da nossa história e da nossa identidade como referência de valores, de forma a promover a importância que os Açores e os Açorianos tiveram, e têm, na história contemporânea da democracia no mundo, no combate contra o totalitarismo, em defesa da democracia e da liberdade”.

Segundo o líder do CDS, o partido encerra o debate do Plano e Orçamento com a certeza “dos contributos que fizeram para a melhoria da qualidade de vida dos Açorianos” e “que, se merecerem a aprovação da maioria, terá, como consequência, uma resposta favorável do CDS este orçamento e este plano”. 

CDS Açores
29-11-2018
Comunicação
Categoria: CDS Açores

voltar