Artur Lima afirma que o CDS é a “alternativa política” nos Açores
Plano e Orçamento 2019

O Presidente do Grupo Parlamentar do CDS, Artur Lima, afirmou, esta terça-feira, que o CDS é a “alternativa política” nos Açores, realçando que o “partido está pronto para responder, para dialogar e para debater”, considerando que essa é a “responsabilidade do partido perante os Açores e perante a Autonomia”.

Na primeira intervenção que realizou no âmbito do debate do Plano e Orçamento da Região para 2019, Artur Lima enumerou as iniciativas propostas pelo CDS e aprovadas pelo Parlamento Açoriano, nomeadamente o COMPAMID, o CEDO, o CIRURGE e o Vale Saúde, “que são conquistas de todos os Açorianos e respostas públicas imprescindíveis na proteção social e no acesso à saúde”. Artur Lima relembrou que “em janeiro, por proposta do CDS, uma nova resposta social põe fim a uma profunda injustiça: a Administração Pública Regional garantirá o regresso dos doentes deslocados falecidos, num justo reconhecimento do valor da família e dos laços de pertença que definem a nossa identidade”.

Em relação às políticas públicas regionais, segundo o líder do CDS, “a educação não pode continuar a ser o parente pobre da administração regional. É necessário procurar respostas que concretizem a universidade e a sua centralidade no desenvolvimento da Região”. Para Artur Lima, “foi isso que o CDS fez ao propor e fazer aprovar os manuais escolares gratuitos na Região e é por isso que somos favoráveis às justas reivindicações dos professores”. Na ciência e na investigação, Artur Lima salientou que “é preciso apoiar a nossa academia e promover a importância do conhecimento nas nossas instituições e nas nossas empresas”. Quanto à juventude, para Artur Lima, “os estágios, ou a partida para fora, não podem continuar a ser a única resposta que a Região tem para as novas gerações, considerando que é preciso criar incentivos à sua integração no mercado de trabalho e apoiar o seu empreendedorismo”.

Relativamente à saúde, o Presidente do CDS disse “não aceitar, porque não compreende, a prioridade do Governo na certificação de hospitais e centros de saúde para a prestação de atos clínicos a turistas quando não se tem a capacidade de garantir o acesso à saúde a todos os Açorianos. A prioridade do CDS, e aquela que deve ser a prioridade de um bom governo, é reduzir as inaceitáveis listas de espera que há muito sinalizamos e que procuramos combater com a introdução do Vale Saúde, que constitui, hoje, mais uma das respostas sociais dos Açorianos com a marca CDS, que outros, à falta de argumentos, para legitimar e afirmar a sua ação política, se limitam a mimetizar”.

Para Artur Lima, nos transportes, “não podemos continuar sem responder de forma integrada às nossas necessidades de mobilidade. Já há muito que, por proposta do CDS, foi instalada as rádio-ajudas nos aeródromos dos Açores. Insistimos agora na sua certificação para operação noturna e queremos que seja avaliada a fixação da base operacional da SATA Internacional na Região em alternativa à sua sediação em Lisboa”.

No que respeita às políticas sociais de solidariedade, Artur Lima referiu que “não podemos continuar a validar respostas que não têm a correspondência desejada nas condições de vida dos Açorianos. É essencial promover políticas de solidariedade que promovam a dignidade pessoal e a responsabilidade social, em rutura com o paradigma do assistencialismo que perpetua o contexto e alimenta o estigma”. 


CDS Açores
27-11-2018
Comunicação
Categoria: CDS Açores

voltar